Connect with us



Chega Mais

Momento Saúde – TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE BEBÊS PREMATUROS

Publicado

em

Safismi

Todo mundo conhece alguém que teve um bebê prematuro ou que foi um desses bebês que, por algum motivo, precisaram nascer antes da hora prevista. O nascimento prematuro é algo relativamente comum. Cerca de 15 milhões de bebês nascem prematuros todos os anos no mundo todo. No Brasil, são 340 mil nascidos antes da hora, o que representa cerca de 12% do total de nascimentos no país a cada ano.

Uma gestação completa varia entre 37 e 42 semanas. O bebê é considerado prematuro quando nasce antes da 37ª semana de gravidez. Mas existem diferentes graus de prematuridade. Veja a classificação definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS):
Extremamente prematuro: menos de 28 semanas de gestação;
Muito prematuro: 28 a 32 semanas de gestação;
Prematuro moderado a tardio: 32 a 37 semanas de gestação.
A prematuridade exige uma série de cuidados médicos e pode oferecer alguns riscos à saúde do recém-nascido, que normalmente precisa ficar internado por um período para que possa receber o suporte necessário e ganhar peso. Devido ao avanço da tecnologia e da assistência prestada nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatais, a sobrevida desses bebês tem aumentado muito nas últimas décadas.

COMPLICAÇÕES QUE LEVAM AO PARTO PREMATURO
O parto prematuro, dependendo do momento em que ocorre, pode ser uma situação de risco tanto para o bebê quanto para a gestante. “Mas em algumas situações em que a manutenção da gestação representa mais risco do que benefícios para um dos dois ou para os dois, essa se torna a opção mais segura”, As principais complicações na gestação que podem levar a um parto prematuro são:

Infecções;
Insuficiência istmocervical (abertura do colo do útero);
Colo do útero curto;
Partos prematuros anteriores;
Rotura prematura da bolsa;
Tabagismo;
Miomas;
Gravidez de múltiplos;
Descolamento prematuro da placenta;
Diabetes gestacional;
Pré-eclâmpsia (aumento da pressão arterial na gravidez);
Alterações clínicas na gestante ou no feto que necessitem de interrupção antes do tempo esperado.

Algumas características comuns nesses recém-nascidos são pouca gordura corporal, pele fina e lisa (de forma que pode ser possível visualizar as veias), pouco cabelo, orelhas molinhas e a planta dos pés fina e com poucos sulcos. Eles também podem ter a cabeça proporcionalmente maior que o corpo. “É importante frisar que essas características dependem do grau de prematuridade, se for extremo, moderado ou tardio terão diferenças”.
Um bebê que nasce antes do tempo esperado não está totalmente formado. Por isso, a equipe da UTI neonatal fornece todo o suporte para que ele possa se desenvolver. “Geralmente, quem precisa de internação mais prolongada são os extremos, que necessitam de suporte para respirar por mais tempo. Além disso, eles precisam ganhar peso para poder ter alta com aproximadamente 2 kg.

Com o bebê na UTI, a mãe não consegue amamentar no peito, mas é muito importante que a equipe multidisciplinar oriente-a a extrair leite todos os dias, a cada 3 horas aproximadamente, para gerar estímulo e impedir que a produção cesse enquanto o bebê está internado. O leite é fornecido através de sonda. Nos casos em que o leite da mãe não puder ser ofertado, o recém-nascido pode ser alimentado com leite humano disponibilizado pelos bancos de leite.

O momento da alta do bebê é muito desejado e esperado para a família, mas também pode gerar muitas dúvidas e inseguranças. Segundo a dra. Maria Regina, o vínculo da família com os profissionais de saúde que cuidam do bebê na UTI neonatal é muito importante e facilita a programação da alta, que deve ser organizada com antecedência. “É importante que os pais já estejam sendo treinados pela equipe nos cuidados diários que continuarão ocorrendo em casa, como vestir o bebê, trocar fraldas, dar banho, amamentar. Isso os deixará mais seguros e confiantes”.

Fonte: Maiara Ribeiro | Imagem: UOL

Uniguaçu
eleicoes