Milho recua pelo 3º dia consecutivo em Chicago de olho na colheita nos EUA e com influência do trigo

Na Bolsa de Chicago (CBOT), os futuros do milho recuaram pelo terceiro dia consecutivo. As principais posições da commodity mantiveram a movimentação negativa ao longo da sessão e encerraram a quarta-feira (31) com perdas entre 1,25 e 1,50 pontos, uma desvalorização entre 0,32% e 0,41%.

O vencimento dezembro/18 era cotado a US$ 3,63 por bushel, enquanto o março/19 operava a US$ 3,75 por bushel. O maio/19 trabalhava a US$ 3,83 por bushel e o julho/19 fechou o dia a US$ 3,89 por bushel.

Publicidade

As agências internacionais destacam que as atenções dos investidores estão voltadas ao comportamento do clima no Meio-Oeste americano. As previsões voltaram a indicar tempo favorável ao andamento da colheita do cereal no país.

Até o início dessa semana, cerca de 63% da área cultivada nesta temporada já havia sido colhida, conforme levantamento realizado pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). Os dados serão atualizados na próxima segunda-feira.

Além disso, os participantes do mercado também já se posicionam frente ao novo relatório de oferta e demanda do USDA. O boletim será reportado na próxima quinta-feira (8).

“Agora as pessoas estão apenas tomando uma atitude de esperar para ver”, disse Jim Gerlach, presidente da corretora A / C Trading, de Indiana em entrevista à Reuters internacional.

Outro fator que também ajudou a pressionar os futuros do milho foi a queda registrada nos preços do trigo. Na CBOT, as cotações do trigo terminaram o dia com perdas entre 1,50 e 2,50 pontos.

Mercado brasileiro

Enquanto isso, no Brasil as cotações do milho exibiram ligeiras movimentações nesta quarta-feira. Segundo levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, o preço caiu 10,53% em Sorriso (MT), com a saca do cereal a R$ 17,00.

Já em Brasília, o recuo ficou em 3,45%, com a saca do milho a R$ 28,00. Na região de Campinas (SP), a perda foi de 2,79% e a saca a R$ 34,47 no fechamento do dia. Em Tangará da Serra (MT), a queda ficou em 2,08%, com a saca a R$ 23,50.

Na contramão desse cenário, a saca de milho subiu 5% em Alto Garças (MT) e encerrou o dia a R$ 21,00. Ainda no estado, a saca do cereal registrou alta de 2,33% em Primavera do Leste e terminou o dia a R$ 22,00. Em Castro (PR), a valorização foi de 1,54%, com a saca do milho a R$ 33,00.

De acordo com informações da Radar Investimentos, as ofertas do grão encurtaram nos últimos dias e houve alguma sinalização de aumento da procura com a virado mês e também com a aproximação do final do ano. Cenário que segue direcionando as negociações.

Dólar

A moeda norte-americana encerrou a sessão desta quarta-feira com alta de 0,87%, negociado a R$ 3,72 na venda. “Com a formação da taxa Ptax de final de mês, a moeda trabalhou bastante pressionada pela manhã, mas a alta perdeu força à tarde, embora tenha se sustentado até o fechamento sob influência do exterior”, reforçou a Reuters.

 

Notícias Agrícolas

COMPARTILHAR