Connect with us



Brasil

“Neymar terá de se contentar sendo 3º melhor do mundo”, afirma Roberto Carlos

Publicado

em

Campeão mundial pela Seleção Brasileira em 2002, Roberto Carlos foi um dos grandes nomes do futebol brasileiro na última década. Nesta semana, o ex-lateral esquerdo concedeu uma entrevista à revista France Footbal e declarou que na sua opinião Neymar fez o certo em deixar o Barcelona, porém segue atrás de Cristiano Ronaldo e Messi na briga pelo prêmio de melhor do mundo.

“Para ser o melhor do mundo, tinha de deixar o Barça, porque Messi está lá. Mesmo que esteja ciente que, enquanto Messi e Cristiano estiverem em forma, ele terá de contentar-se com o terceiro lugar na briga pelo melhor do mundo”, declarou o lateral.

O brasileiro comentou ainda sobre a lesão no pé do atleta que tira Neymar dos campos até o final de maio e aproveitou para dar um conselho para o atual craque da Seleção Brasileira. “Sua lesão é algo que devemos aceitar. No Brasil, somos muito religiosos e achamos que esse tipo de acidente não acontece por acaso. De agora em diante, acho que o Neymar vai se concentrar mais no seu trabalho, cuidar melhor dele”, afirmou.

Outro assunto que foi tema da conversa com Roberto Carlos foi o inesquecível 7 a 1, sofrido diante da Alemanha na última Copa do Mundo. “Tite está montando uma equipe para que as pessoas definitivamente esqueçam o 7 a 1, mesmo que seja muito difícil apagar esse resultado. Fora do Brasil, ainda falamos sobre esse fato esportivo, mas aqui permanece um trauma muito forte. É também uma questão de mentalidade, de cultura. No Brasil, as coisas ruins se apegam mais forte que as boas”, completou.

E a atual Seleção de TIte parece mesmo estar empolgando o ex- jogador, que afirmou que a atual equipe pode ser comparada, pelo menos no papel, com a de 1982. “Ela tem um pouco do conceito de show de futebol enquanto se importa com o equilíbrio entre ataque e defesa. O treinador insiste muito em segurança defensiva, e sinto que o todo está melhor organizado do que há quatro anos. Acho que pode ser comparado, no papel, àquele de 1982, que é a grande referência”, avaliou.

 

Gazeta Esportiva