Connect with us

Agricultura

Milho segunda safra bate recorde de produção com aumento de 26% em produtividade

Publicado

em

Safismi

Agricultores pioneiros no cultivo de grãos ainda gostam de chamar a segunda safra de milho de “safrinha“. Mas de safrinha só ficou o nome. Neste ano, ela bateu recorde de produção e alcançou mais de 73 milhões de toneladas, consolidando-se como a principal safra de milho do país.

A segunda safra de milho 2018/19 é 35% maior que a colheita do ano passado. O aumento de produtividade foi de 26% de acordo com a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). A área cultivada teve um crescimento de 8%. Estes números ficam ainda mais impressionantes quando ilustram histórias de agricultores que acreditaram no cultivo do cereal e construíram um legado de sucesso.

Investimento em tecnologia

A produtividade de 144 sacas de milho por hectare não impressiona o agricultor Argino Bedin, 69 anos, de Sorriso (MT). Ele afirma que a colheita quase 50% acima da média nacional da segunda safra é resultado do investimento em tecnologia. “Tem que ter um bom tratamento de sementes e fazer o manejo adequado”, conta o agricultor. O controle de percevejo é uma das receitas de sucesso, porque o inseto tem sido “bem agressivo”, segundo Bedin.

O manejo eficiente é defendido pelo gerente de Marketing de Milho da BASF, Stael Prata Silva Neto. Além do controle de insetos, ele também destaca a importância do controle de doenças foliares com aplicações preventivas de fungicidas. “Nós queremos auxiliar o produtor de milho no manejo correto da lavoura. A adoção de tecnologias, com o uso de soluções inovadoras, contribui para a longevidade do cultivo e o legado do agricultor”, explica.

Notícias Agrícolas

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Whatsapp 45 3565-1033 - Canal direto com nossa redação - Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (0) in /home3/radiojornal/public_html/wp-includes/functions.php on line 4755