Intervenção militar na Venezuela não deve nem ser cogitada, alerta Rubens Bueno

O deputado federal Rubens Bueno (PPS-PR) afirmou nesta segunda-feira (25) que os confrontos que aconteceram no último final de semana nas fronteiras da Venezuela com o Brasil e com a Colômbia não podem servir de justificava para qualquer tipo de intervenção militar no país vizinho. Para o parlamentar, que já recebeu no Brasil vários integrantes da oposição ao regime de Nicolás Maduro, o momento é de intensificar o diálogo em busca da realização de novas eleições.

“Uma intervenção militar na Venezuela não deve nem ser cogitada. O Brasil vem fazendo o seu papel com a ajuda humanitária e também na acolhida aos venezuelanos que estão se refugiando em nosso território. Participar de uma ação militar traria sérios prejuízos ao Brasil, que tem como prioridades recuperar sua economia, promover um ajuste fiscal, aprovar reformas e intensificar o combate à criminalidade em nosso território”, ponderou.

Publicidade

De acordo com Rubens Bueno, as Forças Armadas brasileiras já se ocupam de ajudar no combate ao crime organizado e têm como meta também reforçar o combate ao tráfico de drogas e armas nas fronteiras, além de todas as outras atribuições de defesa. “Temos problemas internos para resolver e se envolver militarmente na crise de um país vizinho geraria enorme instabilidade na região, um volume de gastos considerável e confrontos que poderiam provocar a perda de milhares de vidas”, reforçou.

O deputado alerta ainda que outro revés de uma intervenção militar seria o envolvimento de grandes potências militares no conflito. “De um lado teríamos os Estados Unidos e do outro possivelmente a Rússia e a China também poderiam se envolver de alguma forma. Isso não é bom para o Brasil, para a Venezuela, para a América do Sul e nem para o mundo como um todo”, finalizou.

 

Assessoria