PM suspeito de estupros e da morte de jovem no Paraná tem prisão preventiva decretada pela Justiça

A prisão temporária do policial militar Peterson Cordeiro, que está sendo investigado por três estupros e pela morte da jovem Renata Larissa, foi convertida para preventiva nesta quinta-feira (9), segundo a Polícia Civil. Com isso, ele não tem prazo para deixar a prisão.

Segundo a Polícia Civil, até esta quinta-feira (9), dezessete mulheres tinham procurado a Delegacia da Mulher para relatar casos de estupros cometidos pelo policial. Ele está detido em um quartel da Polícia Militar.

Publicidade

Cordeiro teve uma contraindicação durante um concurso público para entrar na corporação. A contraindicação foi publicada em Diário Oficial, em janeiro de 2016, e é apresentada quando o candidato não atende a algum critério do concurso como, por exemplo, falta de documento, problema de saúde, problemas na Justiça, entre outros.

Quando isso acontece, é possível entrar com recurso. Mesmo assim, Peterson Cordeiro foi admitido pela corporação no mesmo ano.

Em nota, a Polícia Militar não explicou qual foi a contraindicação e nem se houve um recurso que permitiu que ele assumisse o cargo.

Suspeito no crime de Renata Larissa

Durante buscas, a polícia apreendeu o celular de Peterson Cordeiro e encontrou no aparelho vídeos e fotos de várias garotas, a maioria, em situação de violência sexual. Entre essas imagens, a polícia identificou Renata Larissa dos Santos, de 22 anos, que havia desaparecido em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, em 27 de maio.

O corpo da jovem foi encontrado em um matagal às margens da BR-376, no dia 1º de agosto.

De acordo com a polícia, com os novos fatos, Peterson passou a ser investigado também por homicídio e ocultação de cadáver.

Fonte: G1 Paraná.

COMPARTILHAR